Colheita

COLHEITA

Os Vinhos do Porto Colheita são provavelmente os Vinhos do Porto mais apreciados e reconhecidos da Krohn. Os Portos do tipo Colheita são provenientes de um só ano de elevada qualidade, tendo que passar no mínimo sete anos em madeira. Por via de regra só são engarrafados imediatamente antes de serem vendidos, o que pode suceder muito após o sétimo ano. Por esta razão, as nossas Colheitas permanecem em madeira durante um londo período, e adquirem ao longo do tempo uma côr de mogno característica dos nies velhos, bem como um bouquet fino e complexo, notas de nozes e avelãs e uma textura sedosa.

Durante o estágio em madeira estão sujeitos ao controle qualitativo do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto. Por outro lado, depois de engarrafados têm que indicar na rotulagem o ano de produção e o ano de engarrafamento. O risco de formarem depósito no fundo da garrafa é pequeno, já que o mesmo ficou retido, na sua maior parte, na vasilha de madeira onde o vinho estagiou. Depois de aberta a garrafa, não é obrigatório bebê-la na totalidade no mesmo dia – basta rolhá-la bem, podendo ser mantida longamente nessas condições. Numa próxima vez em que for reaberta, oferecerá ao consumidor um aroma e sabor de delicadeza praticamente intacta.

Disfrute de um Porto Colheita no final da refeição com queijos cremosos como Brie e Camembert ou com queijo da Serra. Acompanhe-o também com castanhas assadas ou creme queimado.

ANOS DE COLHEITA

Colheita 2007

Notas de Prova

Cor intensa, núcleo tawny acastanhado, com uma ampla aureola cor de tijolo. No nariz apresenta-se harmonioso e complexo, misturando aromas de melaço e caramelo com notas de ameixa e uva passa, folhas de chá preto, caixa de charutos e fugazes laivos florais. Na boca a primeira impressão é de suavidade e densidade mas à medida que o vinho evolui, revela uma atraente leveza, combinando uma acidez viva com os sabores suculentos da ameixa. O final redunda numa explosão de sabores maduros e opulentos compensados por um agradável travo seco.
Um vinho maravilhoso e sedutor, no ponto perfeito de maturação.

Colheita 2005

Notas de Prova

Cor vermelho-tijolo. Aromas ricos a sultanas, damascos secos e Rich nose of sultanas, dried apricot and framboesa rica; suave com um toque de especiarias. No palato, uma explosão de caramelo, avelã e macadâmia, com tons suaves de especiarias e canela. Vinho muito equilibrado com um final generoso.

Ano Vitícola

O inverno que precedeu a vindima de 2005 foi extremamente frio e seco, deixando as reservas de água completamente vazias depois de um 2004 já de si seco e quente.

A época de crescimento começou mais tarde que o normal, como resultado do tempo frio e da escassez de água. Toda a época de crescimento foi marcada por um vigor mais baixo e um diâmetro de baga mais pequeno para todas as castas de uva.

De 16 de Maio até 6 de Setembro não houve mais chuva. No entanto, apesar da seca extrema e do calor, o processo de amadurecimento decorreu de forma normal, apesar de mais lento que o habitual. Felizmente, as condições secas do verão foram aliviadas por uma queda constante de chuva entre os dias 6 e 9 de Setembro, dando às vinhas o alívio crítico que necessitavam, permitindo-lhe completar o processo de amadurecimento e oferecer uma colheita completamente madura e equilibrada.

Colheita 2004

Notas de Prova

Jovem, cor vermelha-tijolos média. Muitos aromas jovens frutados de ameixa, bem como figos secos, passas, sultanas e nozes no nariz. Maravilhosamente suave no paladar, textura elegante e sedosa com acidez equilibrada, mais frutas secas, um toque de baunilha e notas de especiarias de canela e um toque de cardamomo. Sofisticação e sabor notáveis, muito expressivo e excelente frescura. Um final longo e intenso.

Ano Vitícola

O inverno 2003/2004 foi muito seco, tenho chovido apenas um terço da quantidade registada no inverno anterior. A falta de água durante a parte inicial da época de crescimento conduziu a pouca pressão por parte de doenças. A nossa preocupação em julho foi principalmente sobre a dúvida da capacidade das vinhas para amadurecer as uvas, devido à escassez grave de água.

MEDALHA DE PRATA – Sommelier Wine Awards 2018

Colheita 2003

Ano Vitícola

A um inverno e uma primavera muito húmidos seguiu-se um tempo quente, especialmente em Agosto quando as temperaturas atingiram valores pouco habituais. A vindima iniciou-se na primeira quinzena de Setembro, revelando-se as uvas em bom estado, com alta concentração e doçura mas acidez relativamente baixa. A colheita foi, em termos de quantidade, média; a qualidade mostrou-se muito satisfatória e, nalguns casos, excelente.

Colheita 2002

Ano Vitícola

Ano seco, com um inverno frio e um verão de temperaturas normais para a época. A floração ocorreu em boas condições climatéricas. A vindima arrancou com tempo seco mas teve que ser interrompida devido a chuva forte. Alguns dias depois foi retomada sob tempo solheiro, que eliminou a humidade das uvas e as trouxe a um nível de maturação muito satisfatório.

Colheita 2001

Ano Vitícola

Inverno muito chuvoso. Boas condições de floração em Maio. Junho muito quente seguido de dois meses de temperaturas invulgarmente variáveis acompanhadas de chuva abundante e benfazeja. No final de Agosto o tempo tornou-se seco e permaneceu soalheiro, produzindo-se uvas sãs e maduras.

Colheita 2000

Notas de Prova

Tinto alourado com auréola amarelada denotando a idade. Aroma intenso de distinta qualidade. Bom corpo, elegante, com alguma complexidade. Final persistente e harmonioso.

Ano Vitícola

Condições climáticas desfavoráveis no mês de Maio causaram uma floração escassa e uma produção reduzida. As temperaturas mantiveram-se elevadas até à vindima, mas em Agosto caiu alguma chuva bem-fazeja. A maturação foi perfeita, chegando as uvas em muito bom estado à época da colheita. O tempo revelou-se ideal durante a vindima e vinificação.

MEDALHA DE PRATA (Sommelier Wine Awards 2011, UK).

MEDALHA DE BRONZE (Decanter World Wine Awards 2011, UK).

MEDALHA DE BRONZE (International Wine Challenge 2011, UK).

Colheita 1999

Ano Vitícola

Inverno e primavera secos, com temperaturas acima da média. Alguma chuva em Agosto e Setembro, o que beneficiou a maturação.

Colheita 1998

Notas de Prova

Ainda apresenta boa intensidade de côr, embora se notem os primeiros sinais da idade na tonalidade alourada que se vai formando em redor dos tons mais carregados. No nariz, revela carácter frutado harmoniosamente combinado com aromas de alguma complexidade. Medianamente encorpado, apresenta-se com boa frescura na boca, elegante e persistente.

Ano Vitícola

Inverno ameno com chuva adequada. Primavera com temperaturas abaixo da média e elevada humidade. Floração irregular. Verão seco e quente. A vindima iniciou-se em meados de Setembro e resultou numa pequena produção.

Colheita 1997

Ano Vitícola

Ano muito bom para o Vinho do Porto. Inverno temperado e seco. Muita chuva em Maio e Junho, o que prejudicou a floração. A vindima processou-se em condições atmosféricas normais para a época. Colheita de volume médio mas de qualidade superior.

BEST IN TEST (Världens Viner Awards, Älta, Sweden).

MEDALHA DE PRATA (Sommelier Wine Awards 2012, UK).

Colheita 1996

Ano Vitícola

A um inverno húmido seguiram-se uma primavera e um verão secos. Uma chuva forte antes de se iniciar a vindima nos últimos dias de Setembro provocou um aumento da colheita. Qualidade irregular mas com casos pontuais de vinhos muito interessantes.

Colheita 1995

Ano Vitícola

Inverno pouco chuvoso com temperaturas acima da média. Floração precoce mas homogénea. A vindima arrancou mais cedo que habitualmente, com alguma chuva nos primeiros dias de Setembro.

MEDALHA DE PRATA (Sélections Mondiales des Vins 2004, Montreal, Canada).

Colheita 1994

Ano Vitícola

Ano clássico para o Vinho do Porto. As chuvas do outono e inverno repuseram as reservas de água no solo. Condições atmosféricas ideais proporcionaram uma maturação das uvas lenta e gradual, originando vinhos concentrados, em que uma elevada doçura e um alto grau alcoólico se conjugaram com uma acidez equilibrada.

MEDALHA DE PRATA (Challenge International du Vin 2003, Bourg, France).

Colheita 1991

Ano Vitícola

Verão quente e seco. Nos primeiros dias de Setembro caiu uma ligeira chuva que foi extremamente bem-vinda. A vindima decorreu sob condições atmosféricas ideais.

MEDALHA DE OURO (Challenge International du Vin 2009, Bourg, France).

MEDALHA DE PRATA (The Spiegelau International Wine Competition 2011, New Zealand).

Colheita 1987

Notas de Prova

Côr evoluída, própria de um Tawny velho.  Complexo, com final longo.

Ano Vitícola

Inverno e primavera secos. Verão muito quente e seco. A vindima iniciou-se nos primeiros dias de Setembro e teve que ser suspensa devido a forte chuva na terceira semana. Produziram-se alguns vinhos de qualidade muito interessante e com boa fruta.

MEDALHA DE OURO (Monde Selection 2008, Bruxelles).

MEDALHA DE OURO (Vuoden Viinit 2010, Helsinki).

Colheita 1983

Ano Vitícola

Inverno seco, seguido por uma primavera chuvosa com floração escassa. As temperaturas mantiveram-se baixas até Setembro, mas depois o tempo aqueceu. A vindima foi tardia, com as uvas em perfeito estado.

GRANDE MEDALHA DE OURO (Monde Selection 2008, Bruxelles).

MEDALHA DE OURO (Challenge International du Vin 2011, Bourg, France).

MEDALHA DE OURO (Sélections Mondiales des Vins Canada 2011, Québec).

Colheita 1982

Ano Vitícola

Ano muito seco. Inverno frio, excelentes condições de tempo para a floração e verão muito quente. A vindima arrancou cedo, resultando numa produção escassa mas de boa qualidade.

MEDALHA DE OURO (Sélections Mondiales des Vins Canada 2007, Quebec).

MELHOR DA REGIÃO 2007 (Revista de Vinhos, Portugal, Fev 2008).

MEDALHA DE OURO (International Wine Challenge 2012, UK)

Colheita 1978

Ano Vitícola

Condições meteorológicas adversas, com um final de primavera frio causando danos na floração e um verão muito quente e seco afectando a maturação. Chuvas bem-vindas no início de Setembro melhoraram consideravelmente a situação, seguidas de um tempo seco que prevaleceu durante a vindima. Produção muito escassa.

MEDALHA DE OURO (Sélections Mondiales des Vins, Canada 2007, Quebec).

MEDALHA DE PRATA (Winemasters Challenge 2007, Portugal).

MEDALHA DE OURO (Vuoden Viinit 2008, Helsinki).

MEDALHA DE PRATA (International Wine Challenge 2009, UK).

Colheita 1976

Ano Vitícola

Ano extremamente seco com um verão muito quente. Só no final de Agosto houve um pouco de chuva. As uvas foram vindimadas em bom estado e completamente maduras. Colheita muito reduzida

MEDALHA DE OURO (Sélections Mondiales des Vins Canada 2012, Québec)

Colheita 1968

Notas de Prova

Aroma evoluído, complexo. Frutos secos acompanhados de um “vinagrinho” que transmite sensação de frescura. Final longo.

Ano Vitícola

Inverno seco e quente, seguido de alguma chuva no início da primavera. Junho foi excepcionalmente quente, e a secura afectou muito as vinhas na Região do Douro. A vindima arrancou no final de Setembro, com sol e noites frias, o que beneficiou o estado das uvas e a vinificação.

TROPHÉE (Vinalies Internationales 2009, Paris, France).
MEDALHA DE PRATA (Decanter World Wine Awards 2009, UK).

Colheita 1967

Ano Vitícola
Inverno extremamente frio, floração tardia e escassa. Verão quente, boas condições atmosféricas para a colheita.

MEDALHA DE OURO (Sélections Mondiales des Vins 2004, Montréal, Canada).
MEDALHA DE OURO (International Wine Challenge 2005, London).
MEDALHA DE OURO (Challenge International du Vin 2010, Bourg, France)

Colheita 1966

Ano Vitícola

Ano de excelência para o Vinho do Porto. A um inverno normal seguiu-se um período seco de Abril a Setembro. Alguma, pouca precipitação ocorreu no final de Setembro. A colheita foi reduzida mas produziram-se vinhos com grande doçura e plenos de taninos.

CERTIFICADO DE EXCELÊNCIA 2006 (Revista de Vinhos, Portugal, Fev 2007).
MEDALHA DE OURO (Vinalies Internationales 2011, Paris, France).

Colheita 1965

Ano Vitícola

Um ano bastante seco e, mesmo antes da vindima, as uvas no geral ainda não tinham atingido o ponto normal de maturação. A chuva chegou mais tarde e as uvas foram gradualmente dando sinais de maior amadurecimento. Seguiu-se um período sem chuva e com temperaturas mais frias, o que favoreceu o processo de fermentação. Finalmente, assistiu-se a uma segunda vaga de chuvas intensas e o tempo aqueceu. Como resultado, os vinhos refletem as condições sob os quais foram produzidos, sendo que os melhores terão resultado durante a ausência de chuva e temperaturas mais baixas.

“Top of the WINE Tasting” – Wine, Novembro 1998

Medalha de Bronze – International Wine Challenge, 1999

Certificado de Excelência – The Institute of Masters of Wine, 1994

Medalha de Prata – International Wine Challenge, Londres, 2001

 

Colheita 1964 (Branco)

Ano Vitícola

Apesar das condições atmosféricas, que não foram as ideais para a produção de Porto, surgiram alguns vinhos interessantes e leves.

O MELHOR DA REGIÃO 2006 (Revista de Vinhos, Portugal, Fev 2007).

MEDALHA DE PRATA (Decanter World Wine Awards 2007).

 

Colheita 1961

Ano Vitícola

Tempo muito seco e quente, dando origem a uma pequena produção de vinhos em estado de enorme maturação, elevada doçura e plenos de fruta e taninos.

MEDALHA DE PRATA (International Wine Challenge 2007).

MEDALHA DE PRATA (Decanter World Wine Awards 2006).

CERTIFICADO de EXCELÊNCIA (Revista Néctar, Jan 2006).

MEDALHA DE PRATA (Vinalies Internationales 2010, Paris).

MEDALHA DE PRATA (Monde Sélection 2011, Bruxelles).